biografia

Toninho Geraes – 30 anos de sucesso

Se você frequenta as melhores casas de samba do eixo Rio-São Paulo, como o Carioca da Gema, na Lapa, ou Traço de União, em Pinheiros, já deve ter cantarolado “Se a Fila Andar”.

Música de trabalho do álbum “Tudo que Sou”, do cantor e compositor Toninho Geraes, o samba já conta com mais de 1 milhão de acessos, desde que os clipes oficial e caseiro foram postados no Youtube. O filme oficial de Se a Fila Andar foi dirigido pelo cineasta mineiro Tiago Marques, diretor de arte de longas como Tropa de Elite 2 e Faroeste Caboclo.

O detalhe é que, pela primeira vez, o intérprete do hit é o próprio criador. A canção também o levou aos principais programas da TV brasileira: Ensaio (TV Cultura), Programa do Jô, Esquenta (Globo), Senhor Brasil, Samba da Gamboa (TVE).

O sucesso de Toninho Geraes coroa 30 anos de carreira profissional.

Tudo começou “pra valer” mesmo em 1986, quando teve três músicas gravadas na coletânea Aba do Pagode (EMI/Odeon). Entre elas, Partido Remendado (Rato Roeu) em parceria com Naval, que lhe rendeu o primeiro disco de ouro, por mais de 100 mil cópias vendidas.

Nessas três décadas, Toninho Geraes coleciona cinco discos autorais, mais de 250 músicas gravadas, muitas nas vozes de Beth Carvalho, Agepê, Neguinho da Beija Flor, Bezerra da Silva, Diogo Nogueira, entre outros.

É um dos compositores mais gravados por Zeca Pagodinho (Seu balancê, Uma prova de amor, Desacerto, entre outras). Um dos idealizadores, ao lado de Moacyr Luz, do Samba do Trabalhador, o mais tradicional samba da Cidade Maravilhosa às segundas-feiras.

Um dia, Luiz Carlos da Vila disse que Toninho é um dos grandes compositores do seu tempo. “Tem uma coisa mágica: às vezes seu samba é a última faixa do disco e vira sucesso”, afirmou o autor de Kizomba – Festa da Raça, samba clássico da Vila Isabel de Noel Rosa.

E foi o que rolou quando Martinho da Vila gravou Mulheres, carro chefe do álbum “Tá Delícia, Tá Gostoso”, de 1995, com mais de 1 milhão de cópias vendidas.

Outro divisor de águas na carreira de Toninho Geraes foi o CD Preceito (2009), cuja faixa título é uma das parcerias com o compositor baiano Roque Ferreira. Referência do samba de roda da Bahia, Roque Ferreira foi revelado ao público por Clara Nunes, e mais recentemente, por Zeca Pagodinho (Samba pras moças).

“Ele me ensinou a ousar e sair do lugar comum”, afirma o próprio Toninho Geraes.

Com Preceito, o lado cantor ganha força, e o ofício de compositor amadurece.

Natural de Belo Horizonte, Antônio Eustáquio Trindade Ribeiro representa a mais alta linhagem de sambistas talhados em Minas Gerais, desde Ari Barroso, Ataulfo Alves e Geraldo Pereira até a guerreira Clara Nunes.

Tem a proteção divina de Santo Antônio e Padre Eustáquio e a benção dos Orixás.

Saravá, Toninho Geraes!

Zu Moreira
Jornalista